Américas Brasil Destinos Natureza vai sozinha?

Bonito: destino perfeito para viajar sozinha!

Como boa amante da natureza e dos animais que sou, confesso que demorei mais do que deveria para vir conhecer esse paraíso do Mato Grosso do Sul. Bonito é uma cidade extremamente preparada para o turismo, com uma vila charmosa e opções de hospedagem que cabem em todos os bolsos. Não há muito o que fazer pela cidade fora do circuito de passeios voltados para o ecoturismo, então se você não é fã de fazer trilhas para contemplar animais em seu habitat natural ou tomar aquele banho de cachoeira que lava a alma, pense duas vezes antes de visitar Bonito. Mas se gosta de natureza e ainda tem algum receio ou medo de se aventurar esse é seu destino ideal, pois a infraestrutura dos lugares permite que até crianças ou idosos possam desfrutar com segurança do local, contando com trilhas urbanizadas e guias bem treinados!

Como a atração principal é a natureza e tudo que nela habita, a experiência pessoal de cada um na cidade pode ser extremamente diferente! Mas é de consenso que Bonito faz muito jus ao seu nome. O clima muda de uma hora para outra sendo impossível confiar na previsão do tempo, mas a cidade tem atrações interessantes mesmo em dias mais frios ou chuvosos. Sugiro levar um guarda-chuva dependendo da época do ano que fará sua viagem, eu tive que comprar logo no primeiro dia para poder sair para jantar, e paguei caro: R$29,00!

Para chegar a forma mais comum é pegar um voo até Campo Grande e de lá você poderá alugar um carro (3 horas de viagem), ou comprar o transporte por uma das agências de turismo (4 horas, com uma parada). Existem também voos diretos para Bonito partindo do aeroporto de Viracopos em Campinas (São Paulo), apesar de serem mais caros oferecem maior comodidade.

Todos os passeios da cidade são obrigatoriamente guiados, e quase todos se encontram dentro de propriedades particulares, com exceção apenas do Balneário Municipal, que durante os fins de semana é aberto à população local. A Gruta do Lago Azul, cartão postal da cidade também é administrada pela prefeitura, mesmo estando dentro de uma propriedade particular.

Os proprietários das fazendas onde se encontram os atrativos da cidade exploram o turismo como fonte de renda cobrando a visitação, mas não se irrite com essa informação pois é muito comum ouvirmos dos guias histórias de como o proprietário comprou as terras para criar gado, mas descobrindo o potencial turístico do local acabou reflorestando a propriedade e aumentando voluntariamente o tamanho da área destinada à preservação ambiental. Por lei uma porcentagem da área total de uma propriedade rural deve ser preservada, mas existe a possibilidade do proprietário aumentar o tamanho dessa área tornando-a uma Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN), onde só podem ser realizadas atividades de ecoturismo, educação ambiental e pesquisas, essa alteração é perpétua e nunca poderá ser desfeita. A sigla RPPN aparece em quase todas as placas informativas nas atrações da cidade, o que demonstra a preocupação ambiental dos proprietários!

Seu Modesto, proprietário da Estância Mimosa e do Buraco das Araras chegou a deixar 64% de sua propriedade como RPPN, os animais como esse jacaré do papo amarelo agradecem!

Pelo fato dos passeios serem cobrados, Bonito é considerado por muitos turistas um destino caro. Mas nada que um bom planejamento financeiro e pesquisa antecipada sobre quais passeios você gostaria de fazer não resolvam, já que as agências chegam a parcelar tudo em até 12 vezes! Costumo organizar minhas viagens sozinha, pois além de gostar de escolher todos os detalhes, o valor sempre acaba ficando mais em conta do que fechar pacotes em agências. Porém há algum tempo queria comprar uma daquelas super promoções do Hotel Urbano para avaliar o serviço prestado por eles e poder dar um feedback para vocês, e acabei comprando o pacote de acomodação+aéreo+transporte ida e volta até Bonito no valor total de R$800,00 que pode ser parcelado em até 12 vezes, você pode ler minha opinião sobre essa experiência aqui.

Apaixonada pelo Outono, fui no começo de Abril, época considerada baixa estação, em que tanto a estadia quanto o valor dos passeios ficam mais em conta. Na alta temporada os valores dos passeios sofrem aumento de aproximadamente 30%. Mesmo sabendo que as atrações têm seus preços tabelados cotei com mais de uma agência e o que percebi é que existem pequenas diferenças de preço no valor do transporte compartilhado, o que na soma final deu uma diferença de mais de R$70,00.

Em relação ao transporte minha dica é fechar o compartilhado das agências, pois durante as viagens fiz várias amizades com o pessoal na van, e na volta sempre combinávamos jantar ou tomar uma cervejinha na vila à noite. Saiba que o horário agendado para a saída refere-se ao veículo e não a você, se você for a primeira a ser buscada sairá no horário agendado, mas se ficar por último pode ter que aguardar uns 30-40 minutos a chegada da van. Alugar carro pode ser interessante se estiver dividindo em 3 ou 4 pessoas, pois o valor da gasolina por lá é bem salgado (R$4,58) e a maioria dos lugares ficam distantes e dentro de propriedades particulares, com estradas de terra que eu me perderia facilmente se estivesse dirigindo, mas não sou parâmetro de comparação no quesito “perdida” já que me perco na minha própria cidade! Por outro lado estar de carro te dará a liberdade de fazer mais de um passeio por dia.

Com o intuito de comparar o serviço prestado pelas agências optei por fechar os passeios com duas das mais conhecidas agências da cidade: Bonitour e Bonitoway. Gostei mais da atenção dada pela Bonitour, que me enviou mensagens nas noites anteriores aos passeios com o horário de saída do transporte compartilhado e me entregou os vouchers de entrada no aeroporto com todas as dicas do que levar para cada lugar. A Bonitoway fez uma ótima recepção em minha chegada e só pecou ao não confirmar por mensagem o horário de saída dos passeios, então no geral ambas foram muito boas!

Fiquei hospedada em uma pousada super simples chamada Pousada Mota, um pouco mais distante do centro, mas nada que 10 minutos de caminhada não resolvam, a cidade é pequena! Mas como tenho sono bem leve tive um pouco de dificuldade para dormir, pois ela fica em uma rua bem movimentada e o barulho constante de trânsito me acordava facilmente de madrugada. Como não gostei tanto da minha pousada para indicar para vocês, fui dar uma sapeada pelos lugares que ouvi indicação de colegas de viagem: quem curte ficar em hostel indico o Papaya Hostel, ele é o mais bem localizado e o quarto privativo sai por R$80. Mas por esse valor tem uma pousada chamada Carandá que é bem próxima da praça central, e eles também tem um esquema de quartos coletivos que fica mais em conta ainda. Para quem procura um pouco mais de conforto e não liga em gastar um pouco mais indico o Hotel Bonsai, bem localizado, com uma super infra estrutura (piscina, sauna, redes) e oferece cafezinho e bolo durante todo o dia.

Em relação aos passeios, fechei com antecedência passeios que preencheram todos os meus dias, mas não indico fazer isso se você também for para Bonito na baixa temporada. Pois alguns pontos podem não abrir devido a chuva, e você pode ter que remarcar para outro dia, então é interessante deixar algum período livre caso isso aconteça. Na baixa temporada também existe a possibilidade de você fechar alguns dos passeios por lá mesmo, conheci algumas pessoas que estavam fazendo isso. Também pode conseguir trocar por outro passeio, mas claro que isso depende da disponibilidade de cada atração e agência. Os passeios se dividem em basicamente 3 categorias: flutuação em nascentes de rios, trilhas com cachoeiras e grutas; existem também alguns passeios de observação de fauna local como o Buraco das Araras e o Pantanal.

Vou deixar aqui minha opinião sobre os passeios que fiz e o motivo de ter escolhido eles, além do link das respectivas páginas no Instagram para vocês darem uma olhada nas fotos:

Alguém aí enxerga a Boca da Onça? 🙂

Boca da Onça (R$232,00, transporte R$54,00): situada no cânion do Rio Salobra, foi o primeiro passeio que fiz, e também o que mais gostei! A infraestrutura do receptivo é ótima, o almoço é uma delícia. Os turistas são separados em grupos que fazem o percurso de 4km de maneiras diferentes para não irem todos juntos para os mesmos pontos de mergulho. Eu dei sorte pois fiz o percurso que se inicia na descida da Escada do Paredão, que tem 886 degraus a serem galgados de uma só vez, mas não se aflija: tem mirante no meio do caminho para dar uma respirada e olhar de longe a bela cachoeira da Boca da Onça, que tem 156 metros de altura e é uma das mais lindas que já vi. Digo que dei sorte pois fazendo o passeio pelo sentido oposto essa escadaria é a última “atração” e você sobe só pra ir embora, mas independente do percurso, o lugar é lindo!

Outro lugar que me encantou foi o Buraco do Macaco, uma queda de água situada literalmente em um buraco de pedras, e para chegar até ela você passa por baixo das pedras e dentro de uma gruta, super diferente de todas as cachoeiras que já tinha ido! Fora isso tem ainda outros pontos de mergulhos lindos com cachoeiras maravilhosas. Um ponto que me deixou intrigada foi a temperatura da água que é beeeem menos gelada do que as cachoeiras dos estados de São Paulo e Rio de Janeiro. Se você curte um esporte radical existe a possibilidade de descer de rapel em vez de descer pela escada, pagando um valor a mais por isso.

Buraco do Macaco
Apaixonei no Bolinha, a pele dele é muito mais macia que a minha! rs!

Projeto Jibóia (R$50,00): um pouco afastado do centro cidade, mas dá para ir a pé tranquilamente. Trata-se de um projeto de educação e conscientização a respeito das serpentes, em especial as jibóias. O palestrante é um biológo cientista que trabalhou por muitos anos no Instituto Butantã em São Paulo e sabe muito sobre o que está falando, consegue desmistificar totalmente esse animal tão injustiçado, e faz a palestra inteira com uma jibóia em seus ombros, permitindo que os visitantes toquem e peguem a cobra para fotografar no final. Quero deixar muito bem claro aqui que sou TOTALMENTE contra atrações turísticas que contem com animais para atrair público, como o Sea World, ou aqueles parques para nadar com golfinhos em Cancun. Mas nesse caso como muito bem explicado pelo palestrante as serpentes não sofrem nenhum tipo de “adestramento”, apenas gostam de se enrolar na gente porque somos quentinhos, e elas precisam de calor externo para equilibrar sua temperatura corporal. AMEI a experiência, tanto que em meu instagram fiz um post inteiro dedicado ao projeto, aprendi muita coisa importante sobre esse animais e sobre como a evolução das espécies é fascinante! Sou uma eterna apaixonada por TODA E QUALQUER forma de vida 😉

Olhos nos olhos!

Aquário Natural (R$226,00, transporte R$40,00): 45 minutos de flutuação após uma rápida caminhada pela mata local. Achei bem interessante ver a nascente do Rio, pois nunca tinha visto uma, ali no meio do nada começa um rio, com água saindo debaixo de pedras e árvores e do próprio solo, foi a nascente mais interessante que vi em Bonito. Tem muitos peixes no lago da nascente, mas durante a descida a vida diminui e observamos mais vegetação. Fiquei maravilhada ao ver uma família enorme de macacos prego pularem as árvores de uma margem para a outra do rio, eram mais de 30 macacos! Escolhi o Áquario Natural como uma das duas flutuações que fiz por ser mais curto o que me permitiu fazer também o passeio de bote no Ecopark no mesmo dia. Outro fator que levei em consideração foi a estrutura da área da piscina, da para dar uma relaxada boa por ali. Eles oferecem serviço de fotografia, e minha dica é organizar uma compra coletiva com o grupo que fez o passeio com você, uma pessoa compra e repassa o link de acesso para todos, vale a pena pois as fotos ficam muito melhores dos que a que tirei com minha GoPro, e dividindo fica barato pra todo mundo!

Rafting beeeeeeem leve, bom para quem nunca fez perder o medo!

Passeio de Bote no Ecopark (R$136,00, transporte R$40,00): esse foi um pouco decepcionante para mim, achei que a aventura seria mais parecida com um rafting, mas o percurso que eles fazem é bem tranquilo podendo ser feito com crianças inclusive. Foi divertido porque os guias fazem uma brincadeira de apostar corrida e ficar jogando água no povo do outro bote, mas sinceramente na minha opinião Bonito tem atrações mais interessantes. O Ecopark também oferece pranchas de SUP, caiaques, boiacross, uma área com redes para descanso, restaurante. Talvez seja um lugar interessante para famílias passarem o dia. Aqui eles também oferecem a venda de fotografias tiradas durante o passeio e dividindo com as outras pessoas saiu baratinho (paguei R$10), as fotos são engraçadas.

Buraco das Araras (R$78,00, transporte junto com Rio da Prata): ouvi muitos turistas dizendo que acharam desnecessário ir até lá, porque em quase todos os passeios de Bonito conseguimos avistar Araras. Eu discordo completamente, acho bem diferente ver araras semi domesticadas e acostumadas com a presença humana e araras totalmente selvagens em seu habitat natural. O buraco na verdade é uma dolina, a maior da América do Sul, com 500 metros de circunferência e 100 metros de profundidade e um lago lá embaixo, onde existem alguns jacarés que caíram e nunca mais conseguiram subir! As araras que moram por ali são as vermelhas, segunda maior espécie de arara do mundo, perdendo apenas para a Canindé (aquela azul de peito amarelo). Elas gostam de usar os buracos nos paredões da dolina para construir seus ninhos, que ficam abrigados do tempo e dos predadores.  Eu dei muita sorte, pois a temperatura desse dia estava 18 graus e como as araras tem uma temperatura corporal de 40 graus, elas gostam de dias mais frios e saem das tocas para fazer um espetáculo maravilhoso. Fiquei emocionada de ver a quantidade de araras que vivem por ali, e observar o comportamento dos casais. Araras são monogâmicas e fiéis para a vida toda, mesmo após a morte do parceiro. Têm filhotes de 2 em 2 anos, pois cuidam dos filhotes por todo esse período. Por ali também pude observar uma arara canindé perdida no meio das vermelhas, tucanos, coruja, e uma quantidade absurda de periquitos, mas mais de 150 espécies de aves já foram catalogadas vivendo nessa dolina.

A água é ridiculamente limpa!

Flutuação no Rio da Prata (R$326,00, transporte R$70,00): meu critério de desempate para escolher o Rio da Prata em vez do Rio Sucuri foi a temperatura da água, que é de 26 graus contra os 21 graus do Sucuri, e como fui no Outono me preocupei em passar frio dentro d’água. O outro motivo é que eu também queria ir no Buraco das Araras, e esses dois passeios podem ser feitos no mesmo dia por serem bem próximos um do outro. O almoço é incluso no passeio e a comida também é muito boa! Os doces são sensacionais! Eu fiz primeiro o Buraco das Araras logo cedo e a flutuação as 11:30h, tem uma trilha leve de aproximadamente 30 minutos para chegar até a nascente do rio, e o percurso de flutuação tem uma duração de aproximadamente 1h30min. O dia que fiz esse passeio estava mais frio, 18 graus, mas o uso da roupa de neoprene e a temperatura da água deixaram o passeio bem tranquilo, não senti nada de frio! Na verdade estava mais gostoso dentro do que fora da água!

Precisa de sol com essa visibilidade?!

Buraco das Araras (R$78,00, transporte junto com Rio da Prata): ouvi muitos turistas dizendo que acharam desnecessário ir até lá, porque em quase todas os passeios de Bonito conseguimos avistar Araras. Eu discordo completamente, acho bem diferente ver araras semi domesticadas e acostumadas com a presença humana e araras totalmente selvagens em seu habitat natural. O buraco na verdade é uma dolina, a maior da América do Sul, com 500 metros de circunferência e 100 metros de profundidade e um lago lá embaixo, onde existem alguns jacarés que caíram e nunca mais conseguiram subir! As araras que moram por ali são as vermelhas, segunda maior espécie de arara do mundo, perdendo apenas para a Canindé (aquela azul de peito amarelo). Elas gostam de usar os buracos nos paredões da dolina para construir seus ninhos, que ficam abrigados do tempo e dos predadores.  Eu dei muita sorte, pois a temperatura desse dia estava 18 graus e como as araras tem uma temperatura corporal de 40 graus, elas gostam de dias mais frios e saem das tocas para fazer um espetáculo maravilhoso. Fiquei emocionada de ver a quantidade de araras que vivem por ali, e observar o comportamento dos casais. Araras são monogâmicas e fiéis para a vida toda, mesmo após a morte do parceiro. Têm filhotes de 2 em 2 anos, pois cuidam dos filhotes por todo esse período. Por ali também pude observar uma arara canindé perdida no meio das vermelhas, tucanos, coruja, e uma quantidade absurda de periquitos, mas mais de 150 espécies de aves já foram catalogadas vivendo lá no Buraco.

Fazenda San Francisco no Pantanal (R$225,00, transporte R$100,00): escolhi fazer esse passeio por ter curiosidade de conhecer o Pantanal, que fica a 160km de Bonito, e também na esperança de avistar uma onça já que na fazenda já foram catalogadas 12 delas, entre pardas e pintadas. O passeio sai cedo, 5h da manhã, fizemos uma parada para café da manhã na estrada e chegamos na fazenda aproximadamente às 8:30h. Por lá fazemos um safari de 2h de duração em carros específicos para isso e depois um passeio de chalana (espécie de embarcação) com duração de 1h30min em que paramos para tentar pescar piranhas no rio. Resumindo trata-se de um passeio para observação de animais, dentre os que avistei estavam: cervos do pantanal (viados), jacarés caimans, tuiuius (aquela ave símbolo do pantanal, maior ave brasileira), cobras (vimos uma sucuri e uma jararaca, mas ambas de lá de cima do caminhão! rs!), capivaras, gaviões, araras canindés, um casal lindo de ararinha azul, e uma variedade absurda de aves. Durante o passeio de chalana o guia faz algumas interações dando piranhas para gaviões e jacarés, bem divertido. O almoço servido é uma delícia, mas fique esperta, a hora que o berrante tocar vá logo comer, pois fiquei enrolando terminando de beber minha cervejinha e algumas das comidas acabaram e não houve reposição.

Essa formação natural de piscinas nas cachoeiras de Bonito é incrível, parece feito à mão não é?

Estância Mimosa (R$114,00, transporte R$50,00): mesmo circuito de cachoeiras do passeio do Parque das Cachoeiras, então fique esperta para não comprar os dois passeios, vi algumas pessoas que fizeram isso e tiveram que pedir a troca pois não foram alertados pelas agências! Escolhi fazer pela Estância pois tem  duas cachoeiras a mais no roteiro. São 3km de caminhada no total, ida e volta, em uma trilha muito bem estruturada. No meu grupo tinham 3 idosos lindos, que fizeram o passeio sem nenhuma dificuldade, apenas para chegar bem pertinho das cachoeiras nós os ajudamos! Destaque para a Cachoeira do Sol, que tem um gruta linda por trás da queda d’água e para a Cachoeira do Salto, que é bem profunda e construíram um deck com 5 metros de altura de onde podemos pular na água. Foi meu último dia e fechei com chave de ouro, como boa amante de cachoeiras que sou, amei o passeio. O almoço é opcional no valor de R$56,00, os doces podem ser consumidos à vontade, uma boa tática para nos fazer comprá-los, o doce de leite fabricado por eles é ótimo!

Um passeio para lavar a alma nas lindas cachoeiras da Estância Mimosa!

Gruta do Lago Azul (R$110,00 já com o transporte): cartão postal de Bonito, a Gruta Azul é um cenário de tirar o fôlego! Descemos 70 metros para chegar próximo da água, de um azul turquesa sensacional! À medida que descemos um ar condicionado natural é ligado, e bate uma brisa geladinha deliciosa! Dentro da água, que atinge mais de 90 metros de profundidade, as únicas formas de vida são pequenos crustáceos (0,7cm), e lá no fundo foram encontrados fósseis de espécies animais que viveram há milhões de anos atrás, como o tigre dente de sabre e preguiças gigantes! Hoje em dia não é possível mergulhar na água, o ponto mais próximo que chegamos fica a 7m de distância. No mesmo dia fiz também a Gruta de São Mateus (R$35,00 que já estava incluso no meu pacote do Hotel Urbano), que é uma gruta seca, entramos por um lado e saímos por outro, a profundidade chega a 70m, não tem essa água linda da Gruta do Lago Azul, mas em compensação as formações rochosas são muito mais bonitas e diversificadas. Esse dia dei muita sorte também pois foi o único dia que passei em Bonito e choveu de tarde, mas a chuva em vez de atrapalhar me ajudou pois fiz a Gruta de São Mateus sozinha com o guia, que diga-se de passagem era um espetáculo a parte de tão lindo! rs! No receptivo tem uma espécie de museu de antiguidades e também vários animais empalhados, a trilha até a entrada da gruta é leve e oferece uma vista bacana da cidade, além de uma ponte suspensa no melhor estilo Indiana Jones!

A cidade conta com 36 passeios no total, verifique os que mais se adequam ao seu perfil! Dos passeios que não fiz e já estão na lista para uma próxima oportunidade: Rio do Peixe, Abismo Anhumas (estava fechado para mergulho), Balneário Municipal e Praia da Figueira.

Dos restaurantes gostei muito do Casa do João e do Juanita, uma opção mais em conta é o Arco Íris, onde comemos uma moqueca de pintado por R$56,00 e deu tranquilamente para 3 pessoas. Dos bares gostei muito do Bonito Beer, que além de tocar um rock n’ roll tem um esquema self-service de cervejas artesanais, e as fabricadas na cidade são muito boas! O La Bonita conta com música ao vivo, e estava sendo o lugar mais animado da cidade, mas não achei bom o cardápio, coma antes de ir. A vila é pequena e com uma caminhada de 15 minutos você passa na frente de todas as opções de bares e restaurantes.

Bonito é um destino PERFEITO para irmos sozinhas, me senti super segura andando pela cidade, mesmo tarde da noite! O formato em que os passeios são realizados faz com que conheçamos diferentes pessoas todos os dias, e a noite na vila fica praticamente impossível não encontrá-las! Na noite de sábado sentei no Bonito Beer com uma mineira que conheci e a mesa algum tempo depois já contava com mais de 15 pessoas, entre casais e solteiros, conhecidos de conhecidos que foram passando e sentando com a gente para conversar. Então se você já curte viajar sozinha, ou se está a procura de um destino para começar a se aventurar, fica aqui a minha dica: Bonito para as Lindas!

Deixei todos os stories feitos durante a viagem salvos nos destaques do Instagram, se quiser ver mais detalhes dá uma passadinha lá clicando no botão ai embaixo 😉

Compartilhe:

Veja isto também...

2 Comments

  1. Luis Eduardo says:

    Olá

    Somente vc lê estas respostas ou fica aberta ao público ?

    Luis

    1. melguedes says:

      Oi Luis, não entendi, os comentarios do post ficam publicos sim!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *